º,

Dólar: R$ 4.161

TIRADENTES

O dia de 21 de abril, “Dia de Tiradentes”, é uma data cívica importante e significativa para a nação brasileira. A data relembra o dia em que foi morto, acusado de traidor do Brasil, Joaquim José da Silva Xavier, apelidado Tiradentes. Nascido em Minas Gerais em 1726, Tiradentes foi tropeiro, mascate e dentista prático; dai o apelido de “tira dentes”. Também trabalhou em mineração e tentou a carreira militar, chegando a fazer parte do Regimento de Cavalaria Regular. Foi nessa época que ele entrou em contato com as idéias iluministas, com ênfase ao conhecimento da ciência e da razão em contraste com a ortodoxia de doutrinas religiosas antigas. Entusiasmado pelo iluminismo se junta a outros na Inconfidência Mineira, a primeira revolta no Brasil Colônia a manifestar claramente sua intenção de romper laços com Portugal, marcando o início do processo de emancipação política do Brasil, que viria anos mais tarde. A revolta estava dentro do contexto da cobrança de 20% de impostos por parte da Coroa Portuguesa, sobre o que se arrecadava em ouro em Minas Gerais, incluindo-se “atrasos” de cerca de 25 anos. A conspiração foi desmantelada em 1789, mesmo ano da Revolução Francesa. O movimento foi traído por Joaquim Silvério do Reis, que fez a “delação premiada” para obter perdão de suas dívidas com a Coroa Portuguesa. Os demais conspiradores foram condenados ao exílio, mas Tiradentes, sobre quem recaiu a responsabilidade total do movimento, foi condenado a morte. Enforcado em 21 de abril de 1790 teve seu corpo esquartejado e exposto em praça pública. A Inconfidência Mineira transformou-se em símbolo máximo de resistência para os mineiros. A bandeira idealizada pelos inconfidentes foi adotada por Minas Gerais e traz os dizeres “Liberdade ainda que tardia”, que é a tradução da divisa em latim Libertas Quæ Sera Tamen. E, de fato, a “liberdade ainda que tardia”, do ponto de vista do rompimento dos laços com Portugal, veio com a independência do Brasil 32 anos depois, em 1822. Interessante notar que Tiradentes morreu por causa de um ideal. Ele foi traído, julgado e morto porque tinha a aspiração de ver o Brasil uma nação livre. Por isso, Tiradentes é tido como o mártir da Inconfidência. Entretanto, é bom esclarecer que a palavra mártir, do grego martys (testemunha), era usada em princípio para designar as pessoas que sofreram tormentos, torturas ou a morte por sustentar a fé cristã. Com o tempo a palavra ganhou outros conceitos, como morrer patrioticamente pela liberdade, independência e/ou autonomia de um povo. Assim, Tiradentes é classificado como o “mártir” da Inconfidência. É bom esclarecer que, pensando na origem da palavra, o “Mártir Supremo” é Jesus Cristo. Ele tinha o ideal de salvar a humanidade e liberta-la de toda escravidão ao pecado (conforme Evangelho de João 10:10 e 8:36). Jesus foi traído, julgado de forma arbitrária, condenado sem provas reais, morto e sepultado, mas ressuscitou ao terceiro dia; vencendo a morte. Jesus sacrificou-se morrendo pelo ideal de salvação de toda a humanidade. Ele morreu em nosso lugar para pagar o preço de nossa dívida com Deus, permitindo que “todo aquele que n’Ele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” “Pois Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus” “Jesus Cristo, o qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigar deste mundo perverso, segundo a vontade de nosso Deus e Pai” – Evangelho de João 3:16, 1ª Epístola de Pedro 3:18 e Epístola de Paulo aos Gálatas 1:4. Homenagear Tiradentes como mártir de uma nação hoje livre é pertinente, mas não podemos nos esquecer de prestar nosso preito em gratidão por aquele que nos faz homens e mulheres livres da condenação do pecado e nos garante vida eterna: Jesus Cristo. A Ele toda honra e glória.

Voltar