º,

Dólar: R$ 5.2824

Saúde

Saúde pública: Pedido de CEI foi retirado por falta de interesse dos vereadores


Publicado em 12/11/2018 19:17


As denúncias contra a saúde pública, feitas com frequência pelos vereadores durante as sessões da Câmara Municipal, não avançam e acabam ficando apenas no discurso. Na semana passada o vereador Paulo Mário (PR) propôs a criação de uma Comissão Especial de Inquérito- CEI para apurar possíveis atrasos nos pagamentos dos salários e das rescisões contratuais dos empregados da empresa “A. Ferreira”, bem como a falta de medicamentos de responsabilidade da Associação Brasileira de Beneficência Comunitária – ABBC (terceirizada pela Prefeitura). Além do autor da proposta, assinaram a favor da CEI os vereadores Jorge do Proerd (PMN), Leo Arantes (PSC) e Luiz Sperendio (DEM). Eram necessárias no mínimo sete assinaturas. Percebendo a falta de interesse de outros vereadores, na sessão de terça-feira, 28, Paulo Mário disse que a Câmara perde uma oportunidade de investigar a saúde pública. “Evidências existem várias”, disse ao pedir a retirada do requerimento que solicita a CEI. O vereador ressaltou no início da semana que não iria implorar aos colegas para assinarem o requerimento; disse que sentiu  que o presidente da Casa, Sebastião Garcia do Amaral- Tião do Fórum  articulava para que a CEI não prosperasse. Tião negou; também lamentou as informações recebidas sobre a reutilização de seringas, o que causou discussão em plenário. Ainda a respeito da Saúde, Gabriel Cintra (PSB) fez pedido de informação ao Executivo para saber quantos processos da secretaria de Saúde estão parados no setor de Compras e Licitações e pediu detalhamento da prestação de contas da ABBC do primeiro semestre deste ano. MORADORES DE RUA- Outro tema abordado foi “moradores de rua”. Segundo Jorge do Proerd, muitas pessoas estão reclamando da circulação desses moradores de rua na Rua Santa Isabel, onde passam o dia na calçada, bebendo ou até usando drogas. Alguns deles afirmaram serem humilhados no Albergue e Centro Pop. OMISSÃO DE SOCORRO- O vereador Marcus Valle (PV) relatou a morte do jardineiro de sua residência, que passou mal na manhã de segunda-feira, 27. Ao acionar o SAMU, disseram ao vereador que as ambulâncias estavam na rua. Valle levou o funcionário até o HUSF, onde não foi atendido por não ter convênio e nem ter chegado de ambulância. O vereador foi então para a Santa Casa, onde o paciente levou mais um tempo para ser atendido. No final da noite de segunda-feira Daniel de Oliveira, 50, faleceu no hospital. O vereador pediu que seu relato na sessão fosse constado em Ata para posteriormente ser encaminhado ao Ministério Público para análise e providências se forem necessárias. TRIBUNA LIVRE- O secretário de Mobilidade de Botucatu, Vicente Ferraudo, participou para falar sobre o parquímetro instalado. “A instalação foi positiva, pois o que se gastava em zona azul, hoje se arrecada”. HEPATITE C- O médico infectologista José Ribamar Mendes disse sobre a Hepatite C, doença silenciosa que pode levar ao câncer e cirrose. Não há vacina contra a Hepatite C, apenas para a B. Cerca de 30 mil pessoas são infectadas por ano no Brasil pela doença. Ainda segundo Mendes, inicialmente o Brasil pretende tratar de 80 mil a 90 mil infectados. “A Hepatite C é uma doença que precisa ser prioridade política de governo. Tem que haver o enfrentamento da doença, ofertar exame de diagnóstico”. Entre as causas da doença, principalmente sexo desprotegido. Ao ser questionado sobre as condições de tratamento em Bragança, Mendes considera que há condição básica para iniciar o tratamento. Alguns medicamentos caros curam em até 12 semanas. Sua presença na sessão foi em razão do Dia Mundial das Hepatites Virais, 28 de julho. PROJETO- Apenas um projeto constava na pauta de votação.  O Projeto de Lei Complementar 17/2015 de autoria do Executivo, que visa implantar o Sistema de Controle Interno da Prefeitura, foi aprovado por unanimidade. Duas emendas foram feitas, dos vereadores Miguel Lopes (rejeitada) e outra de Rita Valle que prevaleceu. No projeto consta que o funcionário encarregado em fazer o Controle Interno da Prefeitura receberá de gratificação 50% proporcional ao seu salário. A emenda de Lopes pregava que o pagamento fosse de 25% e a de Rita Valle até 50%. A sessão terminou por volta das 20h.

Voltar