º,

Dólar: R$ 4.183

Politica

DEM vê como traição saída do PPS do grupo Chedid


Publicado em 12/11/2018 20:49


O ex-pré-candidato do DEM a prefeito, Renato Frangini, é o novo presidente do PPS.  O Partido Popular Socialista, PPS- um dos partidos que fazia parte das 11 agremiações agregadas ao DEMOCRATAS-DEM- liderado pelo grupo Chedid, desgarrou e levou consigo o pré-candidato a prefeito, Renato Frangini. O médico Frangini admitiu no início da semana que realmente estaria assumindo a presidência do PPS e aguardava a publicação da nominata (nominata é a relação de nomes dos integrantes da agremiação) para tornar pública sua posição. Ontem o clima na Morada das Pedras, sede do DEM, era de surpresa e foi convocada para as 19 horas uma reunião com as comissões executivas de todos os partidos coligados para discutir a situação. Para os tradicionais Democratas a posição de Frangini foi recebida como traição política, considerando sua declaração ao se desligar do partido onde reafirmou que continuaria no grupo e, considerando também a vivência de Frangini e família no grupo Chedid durante a primeira década dos anos 2000 até seu desligamento do DEM ocorrido no final de fevereiro deste ano. Com isso, o grupo Chedid terá que se realinhar na busca de um candidato a prefeito. Eram sete os pré-candidatos. Agora são seis: o mais provável é Jesus Chedi e tem ainda Gi, Dr. Antonio Ricardo, Beth Chedid, Amauri Sodré e Marco Chedid. Para o analista político da GB, jornalista Paulo Alberti Filho, esse fato aniquila a tese de que Frangini ao sair do DEM e permanecer no grupo, como ele afirmou por várias vezes, seria uma estratégia política-eleitoral que caminharia até a realização das convenção que deverá ocorrer entre os dias 20 de julho à 5 de agosto.

Voltar