º,

Dólar: R$ 4.147

Esportes

Bragantino joga mal e escapa de goleada em Minas


Publicado em 09/10/2019 06:30


A derrota do Bragantino na noite de ontem, para o América-MG, pode ter muitas explicações, mas uma verdade incontestável: o time escapou de uma goleada naquela que foi, certamente, sua pior apresentação.

O jogo começou em altíssima velocidade, pelas laterais, e logo se viu, de novo, a falta de sintonia da dupla de volantes, Barreto e Uilliam Correia, desta vez com o setor defensivo. Mesmo percebendo que o América havia subido a marcação e dificultado a criação de jogadas, principalmente pelo lado direito da defesa, a dupla continou distante, não fez as coberturas necessárias aos avanços dos laterais e obrigou o alvinegro a usar de um expediente que já se sabe, não dá certo: chutões para o ataque. Embora se mostrasse minimamente organizado, o Bragantino não teve ímpeto ofensivo.

A partir dos 25 minutos o Coelho tomou conta das ações e perdeu a chance de abrir o marcador aos 27 minutos, numa cabeçada do zagueiro Ricardo Silva, que subiu sozinho, sem marcação. Cinco minutos depois, numa pixotada do goleiro Júlio César, um lance aparentemente tranquilo quase virou pesadelo. O goleiro alvinegro  se enroscou com Ligger e a bola sobrou de presente para Mateusinho (o melhor da noite), que cruzou na cabeça de Diego Ferreira. Sem goleiro, ele conseguiu cabecear para fora. Dois lances claros de que o Bragantino estava acuado e sem alternativas para o esquema de jogo do time mineiro.

Na única oportunidade que teve no primeiro tempo, Ytalo recebeu ótimo passe dentro da área e ao ficar cara a cara com o goleiro Airton, ao invés de chutar, tentou o cruzamento que a zaga asfatou.

A vitória - Mesmo com alguns indicativos de que pelo menos três jogadores do Bragantino não estavam bem, o técnico Zago se manteve impassível e voltou com o mesmo time para a etapa final.

E o castigo veio logo aos cinco minutos, em lance irregular: João Paulo bateu falta na área, Lucas Kal, em impedimento, tentou desviar, mas a bola passou para Júlio César fazer a defesa. O goleiro do Bragantino se atrapalhou, deu rebote nos pés do zagueiro Ricardo Silva. Com o gol vazio, ele só teve o trabalho de mandar para o fundo das redes: 1 a 0.
Como não tem VAR na Série B, o erro não foi notado pelo trio de arbitragem. O comentarista do Sportv, Sálvio Spinola, disse que Kal, adiantado, participou do lance mesmo sem tocar na bola. Assim, o impedimento deveria ter sido assinalado.
Em vantagem, o América seguiu dominando. Aos 14', João Paulo bateu de longe para fora. Dois minutos depois, Diego Ferreira roubou uma bola recuada e saiu na cara do gol e Júlio César defendeu.
O Braga conseguiu, enfim, aos 20 minutos, criar uma jogada que poderia ter resultado em gol, em lance próximo da entrada da área, em que Claudinho emendou de primeira, no canto direito, para grande defesa de Airton.
A vitória do Coelho se materializou aos 26 minutos. Matheusinho driblou dois na entrada da área, sofreu falta, a jogada continuou com Juninho que serviu Júnior Viçosa, nas costas de Ligger. Bastou um belo toque na saída do goleiro.

A partir daí o América perdeu pelo menos mas três oportunidades de transformar o resultado em goleada.

O time - Júlio César tem se esforçado muito nas pixotadas e uma hora vai conseguir seu intento. Ontem foi mal. Aderlan e Rafael Carioca não foram bem no apoio, ainda piores na marcação e facilmente envolvidos. Na zaga salvou-se apenas Léo Ortiz, que sozinho não poderia ter segurado o ataque adversário. Seu companheiro Ligger talvez tenha feito a pior partida da sua vida. Lento, sem impulsão, faltoso e mal posicionado em vários lances.

A dupla de volantes não conseguiu jogar. Distante do setor defensivo, dificultou a saída de bola do time e na criação foi anulada pelo meio-campo do América. Claudinho jogou bem durante todo o primeiro tempo e no início do segundo, até levar um pontapé no joelho, que o fez desaparecer em campo, exceção feita ao chute que deu aos 20 minutos e que poderia ter redundado em gol. O setor ofensivo foi de uma ineficiência que ainda não havia sido vista: Matheus Peixoto ainda tentou fazer a sua parte, como pivô, mas ficou isolado. Bruno Tubarão correu muito, mas não produziu o suficiente e Ytalo foi figura decorativa. Teve apenas uma chance de gol e a desperdiçou. Os três jogadores que entraram, Wesley, Roberson e Vitinho, não acrescentaram nada.

O técnico Zago, inexplicavelmente, assistiu ao domínio do América e quando acordou já era tarde. A derrota era irreversível.

Em casa - Depois de duas partidas fora de casa, o Bragantino tem agora dois jogos no Nabizão: sábado às 16h30 recebe o Paraná e na terça-feira, às 21h30, o Oeste.

Duas partidas que, dependendo da combinação de resultados, pode garantir o acesso da equipe, mesmo despois faltando oito rodadas.

AMÉRICA-MG 2 x 0 BRAGANTINO

Local: Arena Independência, Belo Horizonte

Data: 8 de outubro de 2019 (terça-feira)

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden

Público: 3.617 - Renda: R$ 16.652,00

Cartões amarelos: Diego Ferreira, Geovane e Ricardo Silva (América-MG); Ligger, Rafael Silva e Bruno Tubarão (Bragantino)

Gols: Ricardo Silva aos 50' e Júnior Viçosa aos 71' (América)

AMÉRICA-MG: Airton; Leandro Silva, Lucas Kal, Ricardo Silva e João Paulo; Zé Ricardo, Juninho e Willian Maranhão; Diego Ferreira (Geovane), Júnior Viçosa (Marcelo Toscano) e Matheusinho (Felipe Azevedo). Técnico: Felipe Conceição.

BRAGANTINO: Júlio César; Aderlan, Léo Ortiz, Ligger e Rafael Silva; Barreto (Roberson) e Uillian Correia (Wesley); Claudinho, Ytalo e Bruno Tubarão; Matheus Peixoto (Vitinho). Técnico: Antônio Carlos Zago.

Voltar