º,

Dólar: R$ 5.2229

Editorial

TRIBUNAL DE JUSTIÇA CASSA LIMINAR QUE TIROU EDITORIAL DA GB DA INTERNET


Publicado em 12/11/2018 19:34


Ontem a tarde o Tribunal de Justiça acatou recurso da Gazeta Bragantina ao processo movido pelo secretario municipal do Meio Ambiente,Francisco Chem  contra o jornal por ter publicado um editorial que criticou a conduta do assessor do prefeito Fernão Dias. A justiça de Bragança concedeu liminar determinando ao jornal retirar do site a matéria publicada em janeiro. Agora,por decisão temporária do Tribunal do Justiça, a GB voltou a postar o editorial “ Que dure o quanto vale !”  que analisa o modus operandi do prefeito e do secretário Chem quando colocou em ‘discussão” o projeto de reforma do Lago do Taboão,em janeiro deste ano. Leia a integra abaixo artigo assinado por Paulo Alberti Filho.  

Que dure o quanto vale!

Paulo Alberti Filho Desde quando me conheço por gente ouço falar no Lago do Taboão. Sempre foi polêmico desde sua criação, originário de um tabual na década de 50, mesma que nasci. É um lago predestinado a fazer história. Já foi chamado de lago da eleição, lago da discórdia, lago do tráfico, etc. Já foi até local preferido de suicidas que boiaram em suas águas. Os mais céticos chegaram a dizer que ali deve ter cabeça de burro enterrada, para justificar que faça-se o que fizer, nada prosperaria. Um exagero na minha opinião. Como a história é cíclica, a administração do PT, do prefeito Fernão Dias, (ou seria administração do prefeito Fernão Dias do PT? Não faz diferença porque, neste caso, a ordem dos envolvidos não altera o produto) parece pretender ressuscitar o épico lago da eleição. O governo do PT em Bragança, a exemplo de Lula e Dilma, tem essa mania de fingir democracia e governo participativo. Explico: O chamamento da Prefeitura para discutir o projeto de reforma do Lago, realizado na segunda-feira, no CISEM, foi mais um exemplo de “goela abaixo” imposta à população pelo módus operandi  do prefeito. Com uma plateia  formada por maioria de barnabés, representantes da GB e do BJD  e meia dúzia de curiosos anônimos, o secretário do Meio Ambiente, o xing ling Chico Chen, por meio de data-show expôs o seu projeto que, em tese, seria discutido e aberto a sugestões. Antes porém, no estilo goela-abaixo, o secretário avisou: Nenhuma sugestão seria aceita se implicasse em comprometimento de prazos e custos do projeto. Dio Santo! Que tipo de idiota o Poder Executivo tem certeza que o povo representa? O bom senso determina que qualquer discussão para colheita de sugestões da população seja feita antes de o projeto final estar pronto. Que tipo de sugestão eficaz e duradoura seria possível sem implicar na alteração de prazo e custo?  Creio que as únicas sugestões cabíveis seriam sobre a cor da tinta da pintura dos equipamentos, tons das luzes e altura da grama. Outra coisa que sugere fuga de debate é a fraquíssima divulgação, o local dia e hora da reunião. Segunda- feira, 18h30 no CISEM? Deveria ser em horário mais acessível e local centralizado para facilitar a participação popular. Mas o PT está aí é para complicar mesmo. Resultado: O projeto está lançado, provavelmente não será alterado e vai custar R$4milhões. Dos males os menores: que não seja mais uma promessa do PT; que custe realmente somente R$4 milhões e que dure o quanto vale!  

Voltar