º,

Dólar: R$ 5.1787

Editorial

Sinal de lucidez


Publicado em 12/11/2018 19:34


Paulo Alberti Filho Parece que os vereadores da base aliada do prefeito criaram coragem para contradizer o chefe. Pelo menos, isso ficou evidenciado ontem durante a reunião da Comissão da Câmara que analisa os projetos que alteram o Código Tributário e a Planta Genérica de Valores e, do jeito que estão formulados, sem clareza, irão causar grande impacto no IPTU e nas taxas municipais. O assunto vem sendo discutido nessa Comissão há mais de uma mês e, pela primeira vez, o líder do prefeito, Noi Camilo, num flash de lucidez, ousou desafiar o chefe e afirmar que “como líder irá pedir que ele retire os projetos da Câmara. Não é momento disso. É um momento difícil para todos nós. Mas a decisão cabe somente ao prefeito, mas vou tentar. Também não me sinto confortável para votar”. O pronunciamento do líder foi feito depois que os vereadores  Marcus Valle e Paulo Mário teceram comentários fortes com relação a clareza das fórmulas que propõem aumentos exacerbados de imposto e taxas e que ninguém  da Prefeitura consegue explicar. A reação dos vereadores, com exceção de Paulo Mário, que desde o início vem contestando os dois projetos porque irão onerar demasiadamente a população, pode ter sido motivada pela reação segmentada da sociedade que está preocupada com o custo de vida, com a crise que se agrava no país e com a inflação cada dia crescente. É um bom sinal. É sinal de lucidez e bom senso num momento de crise. Os Poderes Executivo e Legislativo bragantino não podem fazer de conta que vivemos num estado de bonança e riqueza que divorcia da realidade nacional. Espera-se que o mesmo sinal de lucidez demonstrado pelo vereador Noi Camilo, quando se dispôs a aconselhar o seu chefe a retirar os projetos, sensibilize o prefeito e o faça retornar seus olhos ao bem estar da população que a cada dia enfrenta mais dificuldades. População vitimada pelos desmandos, corrupção, desgoverno patrocinados pelo PT que refletem, e refletirão nos próximos anos, em todo o Brasil. Além disso, aumento de IPTU e taxas em véspera de eleição, é um suicídio político para quem pleiteia reeleição em 2016.

Voltar