º,

Dólar: R$ 5.2229

Editorial

Prefeitura perdulária, Câmara omissa


Publicado em 12/11/2018 19:34


Paulo Alberti Filho Os vereadores de Bragança realmente não se dão conta do ridículo de seus discursos. Vivemos uma época pré-eleitoral propícia a todos ficarem sensíveis a críticas e observações de comportamento. Na sessão de terça-feira, 8, por exemplo, um vereador teve a desfaçatez de propor a redução de salários dos edis, como medida de economia da Câmara, depois que outro vereador acusou a Prefeitura de gastar durante oito meses, R$240 mil em aluguéis de um prédio inadequado para atender as necessidades da secretaria de Saúde e da população. Durante oito meses os vereadores viram R$240 mil irem para o ralo, calaram e se tornaram cúmplices do governo perdulário do prefeito Fernão Dias (PT). Até acho que os vereadores que estão aí hoje ganham muito mais do que merecem (mais de R$ 7mil por mês), mesmo porque em três anos de mandato, nenhum dos 19 vereadores apresentou sequer um projeto para melhorar a cidade ou em defesa do interesse do povo, além de indicações de nome de rua, título de cidadão que, na maioria ofertado para quem não merece, e voto de pesar para família de quem morre. Nas redes sociais, na TV e no rádio e em alguns jornais chapa branca, não faltam discursos ao estilo coronelista e personalistas de vereadores. Falam como se fossem paladinos da verdade e da justiça. Infelizmente são discursos maquiados que iludem o público mal informado. A Câmara Municipal perdeu o trem da história quando se trata de falar em economia e desperdício do dinheiro público. Outro exemplo que agride a população envolve a administração da Saúde, terceirizada para a ABBC. Os vereadores armaram um circo e ameaçaram investigar os contratos de concessão e a prestação de serviços. O povo grita pelo mau atendimento, pela falta de remédios, exames, médicos, dentistas etc. Por três vezes tramitou entre os vereadores um requerimento para instaurar uma Comissão Especial de Inquérito e por três vezes, talvez por ação e obra do “espírito santo”, os requerimentos foram ao lixo. É no mínimo muito estranho uma Câmara de vereadores se recusar investigar a Saúde e sua administração diante de tantas denúncias e suspeitas. Desde 2013 o orçamento municipal esvai pelo ralo da incompetência e do perdulário. E a Câmara Municipal nunca se dignou em saber para onde vai todo esse dinheiro. Não é pouco. Em quatro anos, os orçamentos municipais somam mais de R$1,5 bilhão. É de se perguntar: “Cadê o dinheiro que estava aqui?”. Hoje ninguém fala da situação da Saúde. A ABBC vai constantemente à Câmara com calhamaço de informações técnicas e matemática que ninguém entende e fica tudo bem. Alguns se calam, outros fingem interesse e acaba como se tudo estivesse maravilhoso. A imprensa, quer dizer, parte da imprensa independente, dá voz ao povo. A outra parte é a voz daqueles que não querem que o povo saiba a verdade. Enfim, essa é a Câmara Municipal que temos, tal qual a Prefeitura que temos e, sinceramente, não merecemos!

Voltar